[Resenha] As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian – C.S. Lewis



Príncipe Caspian, filho de Caspian IX, nascido em Telmar, vivia com seu tio Miraz num grande castelo, pois seu pai havia morrido.

Crescera ouvindo histórias de Nárnia, dos animais falantes, das dríades, hemadriádes, náiades e de Aslam, o Grande Leão, filho do Grande Imperador de além-mar, poré, não ouvia essas histórias através de seu tio ou de qualquer outro telmarino, pois para eles, não passava de uma lenda da qual tinham grande medo, havia ouvido de sua ama, que sempre contava as histórias de uma Nárnia feliz.

Após seu tio saber que ele tinha conhecimento sobre Nárnia, mandou embora a sua ama, e com grande tristeza Caspian achou que nunca mais a veria. Passado alguns dias, Caspian recebe um preceptor, o doutor Cornelius, cujo sangue era misturado, era um anão, e para os legítimos narnianos, era tido como um traidor.

Tempos depois que Miraz estava no poder de Telmar, sua esposa, a rainha Prunaprismia dá a luz um filho, e para surpresa de Caspian, ele se vê aconselhado pelo doutor Cornelius a fugir de Telmar e ir para Nárnia a fim de salvar sua própria vida, pois com um herdeiro legítimo no trono, seu tio Miraz não temeria matá-lo, pois havia feito o o mesmo com o seu pai pela posse do reino.

Após pegar os mantimentos necessários para a viagem, junto com o seu cavalo que o doutor Cornelius havia selado momentos antes de dar a notícia, pôs se então a galopar rumo a Nárnia, e embora o medo estivesse percorrendo nas suas veias, ainda assim ele vai em busca da terra em que desde que se conhecia por gente havia sonhado, Nárnia.

Após alguns dias de viagem e de fortes ventos e chuvas, ele entra numa mata, e por consequência dos fortes ventos um galho se desprendeu de uma árvore, fazendo então que Caspian caísse do seu cavalo e este acabou fugindo, deixando -o então desacordado.

Nesse meio tempo, foi acolhido na casa de três animais falantes de Nárnia, eram eles Caça-trufas, o mais velho e o mais bondoso entre os três, era um texugo, havia também um anão negro chamado Nikabrik, e um anão vermelho chamado Trupklin, que mais tarde, seria um de seus melhores amigos.

Após diversas conversas sobre o que haveriam de fazer com Caspian, decidem por fim ouvi -lo. Após terem feito isso e de terem ouvido toda a história, decidem que estão do lado de Caspian X, para que voltassem a ser a feliz e antiga Nárnia.

Mas antes que Caspian se despedisse do doutor Cornelius, ele havia lhe dado uma trompa, não uma qualquer, mas a mesma que a muito tempo atrás tinha pertencido a rainha Susana, a mesma das histórias que em toda a sua vida ele tinha ouvido, a trompa traria o auxílio que precisavam, não sabiam que tipo deu auxílio poderia ser, mas era certo que viria.

(Não vou dar muitos spoilers, prometo kkkkk ♡)

Assim que a trompa foi tocada, em outro mundo, Pedro, Edmundo, Susana e Lúcia haviam sido convocados para ajudar o príncipe Caspian e os narnianos que precisavam de ajuda, pois já haviam entrado em guerra com os telmarinos, pois Miraz temia que Caspiam quisesse o trono de Telmar de volta e sabia que Caspian estava liderando os narnianos, os mesmos que ele achava que havia sido extinto quando Caspian I, havia invadido Nárnia.

Após intensos combates e muitas baixas narnianas, os grandes reis e rainhas do passado haviam chegado para ajudá-los, mas eles não haviam chegado porque queriam, mas porque Aslam queriam que eles estivessem ali.

Após marcarem um duelo com o usupardor rei Miraz junto com o rei Pedro, depois de intenso combate, os comandantes do exército dos telmarinos, após um imenso ato de traição, matam Miraz e acusam de ter sido o rei Pedro, então se dá um grande combate, porém não haveria ganho, se Aslam não estivesse por perto.

Distante dali, Aslan e Lúcia vão acordar às náiades, hemadriádes e as driádes, irão acordar às árvores que a muito tempo estavam dormindo por consequência da invasão de Caspian I, muitos anos antes, e todos os animais falantes, árvores, Capian X, rei Pedro, rei Edmundo, rainha Susana e a rainha Lúcia, entram em combate para defender Nárnia, pois não iam simplesmente por Nárnia, iam antes de tudo pelo Grande Leão, por Aslam, pois este estava entre eles, garantindo assim que a paz fosse de novo estabelecida e o reino de Nárnia voltasse como nos velhos tempos, a mesma Nárnia alegre e feliz.

Depois de alguns dias, foi convocado uma reunião com todos os telmarinos, e Aslam explicou a verdadeira história, pois não eram daquele mundo, eram do mesmo mundo de Pedro, Edmundo, Susana e Lúcia, pois haviam entrado por lá por meio de magia pelos seus antigos pais, e deu permissão para retornarem à ilha de onde haviam vindo aqueles que não quisessem viver em paz com os narnianos. E por fim, é dito a Pedro e Susana, que eles não poderiam mais retornar a Nárnia, a não ser quando eles viessem para estabelecer moradia, não mais como viajantes, pois em Nárnia só pode entrar se for como uma criança, assim como no Reino dos Céus só entrarão pessoas que for como uma criança, com singeleza e inocência.

-
Essa história nos reforça a ideia de que nada que é feito com engano e usurpação podem dar certo. A verdade é essencial e a mentira jamais poderá ser comparada com a verdade. E que não há situações que possam existir em que Deus não esteja com o controle em Suas Mãos, porque nada foge do Seu controle, pode até fugir do nosso, mas não do dEle. Pois no rugido do Leão da Tribo de Judá, o inverno morrerá, a flor há de voltar, e a paz? Essa certamente voltará, pois Ele é o príncipe da paz, e todos os que estão nEle, certamente encontram a verdadeira paz. 
Porque nos olhos e no coração do Leão da Tribo de Judá, o amor nunca acabará. ❤


0 comentários:

Postar um comentário

My Instagram