[Resenha] As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa – C.S. Lewis


Olá peoples, vamos para a nossa segunda resenha: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa. Dentre todos os livros das crônicas, particularmente os que mais gosto é esse, e também o último livro da Saga que é A Última Batalha, porém esse é um assunto que vai demorar mais um pouco kkk . 
P.S. Essa resenha será um pouco maior do que a outra, pois contém vários eventos, e que trazem mensagens importantes. Porém, sem mais delongas, vamos para a resenha.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os quatro irmãos Pavensie são levadas a casa de campo do Professor Kirke (O mesmo Digory Kirke apresentado na resenha anterior), para se protegerem do bombardeio. Após se acomodarem na casa que era também uma espécie de museu e bastante visitada, quiseram brincar, porém estava chovendo, e a chuva os deixou desanimados. Porém, isso não durou muito, decidiram então brincar de pique esconde. Após entrarem numa sala, Lucia Pavensie, a caçula dentre os irmãos, se vê surpreendida por um guarda-roupa mágico, pois esse guarda roupa, a muito tempo atras havia sido um pé de maçã, o mais bonito que havia, pois tinha vindo da própria terra de Nárnia, e depois de algum tempo, tornou-se o mais belo guarda roupa da propriedade do Sr. Kirke.

 Lucia  foi se esconder no guarda roupa, porém quanto mais se andava por ele, mais frio fazia, pois a cada passo que dava, estava mais perto de encontrar Nárnia. Chegando por fim em Nárnia, se depara com um amistoso fauno, mais conhecido como Sr. Tumnus, que a convida para comer em sua casa, porém o que Lucia não sabia é que o Sr. Tumnus infelizmente trabalhava para a Feiticeira Branca, e que por causa dela Narnia estava num inverno rigoroso, e temia que os Filhos de Adão e as Filhas de Eva se assentassem no Trono de Cair Paravel, pois havia uma profecia que dizia que assim que os dois Filhos de Adão, e as duas Filhas de Eva se assentassem no trono de Cair Paravel e destruíssem a feiticeira branca, ela perderia o reinado que havia usurpado. Mas, Tumnus não a entregou a rainha má, deixou que ela voltasse pelo mesmo local que havia vindo: O guarda-roupa.

Após voltar e contar aos seus irmãos que havia estado numa terra desconhecida, seus irmãos não acreditaram. Pedro, Edmundo e Susana, acharam que era brincadeira de criança. Depois de alguns dias, após Lucia retornar a terra de Nárnia, um pouco depois, Edmundo também decide ir. Chegando lá, as coisas tomam um rumo diferente.

A feiticeira branca, encontra-se com Edmundo que estava passando no caminho, e após o ludibriar para trazer seus três irmãos a ela, em troca de novamente comer manjar turco, ele se reencontra com Lúcia, porém nada conta sobre sua ida a Pedro e Susana, continuando a fazer com que Lucia se passasse por mentirosa.

Após uma conversa com o Professor Kirke, e também uma situação que os levou a entrarem no guarda-roupa, eles viram que de fato era verdade, depois de se desculparem com Lucia, descobrem que o fauno, o sr. Tumnus havia sido preso pela feiticeira branca por traição, pois havia permitido que Lucia fosse embora em segurança, veio então o sr. Castor ao encontro deles, e os levou para casa, e serviram-se de uma deliciosa refeição que a sra. Castor havia preparado para eles. Eles contaram as quatro crianças a verdadeira historia de Nárnia, uma Nárnia viva, alegre e feliz,

Porém, a partir desse momento, Edmundo se tornaria um traidor. Após sair sorrateiramente da mesa de jantar, foi logo ao encontro da feiticeira branca em troca do manjar turco e da notícia de que seus irmãos também estavam em Nárnia, mas Edmundo não esperava que a partir daí ela não o trataria da mesma maneira. Asssim que soube da noticia, Jadis mandou que a Polícia Secreta, fosse em busca das três crianças, porém o Sr. Castor, já estava levando-as em segurança por outro caminho: A Caminho da Mesa de Pedra, onde Aslan estaria os esperando.

E Aslan, o Grande Leão, já estava a caminho antes que eles esperassem por Seu retorno.

Por esse motivo, o feitiço da feiticeira branca já estava perdendo o efeito, e até o papai noel foi fazer-lhes uma breve visita, tendo em vista que não havia Natal a muito tempo, e após entregar os presentes, foi então terminar o seu percurso. Pedro recebeu a mais bela espada que já havia visto e um escudo contendo o brasão do Leão, Susana recebeu o arco que quase nunca errava o alvo e uma trompa mágica que a qualquer momento que tocasse, a ajuda viria, e Lúcia, recebeu um vidro contendo o suco da flor de fogo, um lixir precioso, capaz de curar qualquer ferida, mas que deveria ser usado com cautela. E até o Sr e Sra. Castor também receberam presentes.

As crianças, junto com o casal de castores, chegaram então ao Acampamento de Aslan, o Grande Leão que não pode ser domesticado, e pediram-lhe ajuda para que pudesse libertar Edmundo. Mas, as coisas não eram tão simples assim. Em Nárnia também existem leis que regem uma Nação, é a separação entre o bem e o mal, o certo e o errado, e para desfazer um feito errado, como o de uma traição, um preço alto haveria de ser pago.

Após trazerem Edmundo ao Acampamento de Aslan, eles tem uma conversa, ninguém saberia dizer o que houve, mas tinham certeza de algo: O Amor e o Perdão venceriam.

E por esse mesmo motivo, a feiticeira não quis deixar barato, solicitou uma audiência com Aslan, o Grande Leão, pois era conhecedora que do "sangue traidor" a ela pertencia, segundo a Magia Profunda em que Nárnia foi construída, porém, o que ela não conhecia era que existia uma Magia muito mais Profunda que somente Aslan conhecia, que dizia que se uma vítima voluntária, inocente de traição, fosse morta no lugar de um traidor, a Mesa de Pedra se partiria, e até mesmo a própria morte poderia ser revogada.

 E sim, Aslan seria sacrificado em lugar de Edmundo na mesa de Pedra, representando o Sacrifício de Jesus na Cruz do Calvário para nos justificar, pois tínhamos uma dívida com o pecado que não poderíamos pagar, no Jardim do Éden, Adão e Eva traíram a Deus pela desobediência, mas da Semente da Mulher viria Um que esmagaria e destruiria a força do pecado, e Satanás seria por fim derrotado, e seríamos de novo, de forma plena, pertencentes a Deus.

Enquanto estava na Mesa de Pedra, foi tratado como escória, como se fosse um simples gatinho, e não o Grande Leão, aquele que havia criado Nárnia, agora estava ali, para ser morto em lugar do traidor. E após terem o matado, vieram então alguns ratos para roerem as cordas que O mantinham preso, e depois de horas, que mais se pareceram dias, Aslan por fim retoma a Vida, Aslan por fim, destrói o poder que subjugava Nárnia e toda raça, destruindo assim o poder que a feiticeira branca exercia sobre Nárnia. E mesmo de perto ou de longe, Susana e Lúcia permaneciam ao lado de Aslan, fazendo assim uma alusão às mulheres que em todo momento permaneceram ao lado de Jesus durante o seu Imenso Sacrifício de Amor por nós.

Mas, não muito distante dali, após algumas horas, Pedro e Edmundo se preparavam para a primeira e grande batalha, indo "Por Nárnia e por Aslan" contra a feiticeira branca, pois esta, queria a todo custo destruir o que Aslan havia construído. E depois de ter voltado a Vida, Aslan foi ajudá-los na guerra, garantindo que vencessem.

E por fim, a profecia se cumpriu. Os dois Filhos de Adão e as duas Filhas de Eva se assentaram no Trono de Cair Paravel, onde o próprio Aslan os fez Reis e Rainhas de Nárnia. Pedro se tornou o Rei Pedro, o Magnífico. Lúcia se tornou Rainha Lúcia, a Destemida. Edmundo se tornou Rei Edmundo, o Justo, e Susana se tornou Rainha Susana, a Gentil. 

Nos mostrando assim que o Bem sempre vence o mal, e que não importa quão difícil possa parecer ser, o nosso Aslan, o nosso Jesus já venceu por nós. o Preço já está pago, e podemos dar um brado de vitória dizendo: TÉTELESTAI (Está Consumado), pois a divida já foi paga, e podemos estar novamente e de forma plena com Deus, e que um dia. Jesus volta para nos buscar. E nos mostrando que há esperança até mesmo para um traidor, pois Edmundo se tornou "O Justo", não porque houvesse justiça em si mesmo, mas porque Aslan o havia justificado, ou seja, em algum momento podemos até ter desobedecido e se tornado um traidor, mas que todas as nossas culpas e erros foram perdoados quando Jesus se sacrificou por amor a nós. Não desista, pois com Jesus, o Seu Amor, anda lado a lado com Seu Perdão, e que o Amor e o Perdão, sempre vencem.


Próximas Resenhas: 


  • O Cavalo e seu Menino.
  • Príncipe Caspian.
  • A Viagem do Peregrino da Alvorada.
  • A Cadeira de Prata.
  • A Última Batalha.

0 comentários:

Postar um comentário

My Instagram